1 de mar de 2012

para Milena Ribeiro*

é como a indicação de um caminho simples
sem pedaço de tempo que foge à compreensão
quando até a polícia nas ruas quase não incomoda

mas quando parte
parte em dois, três, quatro meu chão
nada apetece nem acalma nem resolve


*agradecimento, com atraso, pelo apoio de sempre.

18 de nov de 2011

para Nira Bessler*

perguntam quando mas
não adianta imaginar horário
a questão é como
e estou falando de tudo
tudo tudo tudo tudo
daqui de dentro
do alto
do avesso
daqui de fora
dali
de baixo
do outro lado do oceano
da caixinha de cada um guardada há tempos
ou minutos
que não se quer abrir
abarrotada de ideias e mágoas
que se quer
e não se quer mudar


*pela motivação :)

7 de jul de 2011

minha

se te falo em alto e bom som,
então vê:
não te aproximes
nem critiques meus verbos antiquados em segunda pessoa,
no sul ainda se usam.
se é ridículo continuar a se falar de certos problemas
é porque não os solucionaram,
não é óbvio?
se me chamas de vadia não reclamo da palavra.
a questão é: por que te incomodas?
por que achas que mereço o desprezo, a porrada, o escárnio
se me resolvo deitar com qualquer um?
e se me deito com qualquer um e não contigo,
que grande crime cometo?
posso me deitar com toda a sorte de maltrapilhos e marginais,
mas não contigo, o queridinho de nove entre dez moçoilas casadouras.
meus critérios são subjetivos, pessoais e intransferíveis,
e está bem tarde para entenderes,
mas há de se ver!

8 de jun de 2011

fala!

não sei ler olhares.
por isso gosto de voz,
apesar das discrepâncias entre os conceitos,
dos significados imprecisos ou exagerados.
preciso saber sua opinião sobre aquela música,
aquele filme, preciso saber o que vamos fazer
para impedir mais uma arbitrariedade do Estado,
se você pegaria em armas ou seguiria no partidão,
se prefere filme francês ou hollywood ou os dois ou nenhum.
aceito palavras também.
pode me escrever cartas enormes, ou emails,
comentando sobre a novela, seu time,
o trabalho, qualquer coisa.
só não fique aí parado sem me dar pistas.
só não me faça ter de adivinhar o que há aí dentro ou,
pior, descobrir que não há nada.

13 de mai de 2011

O último beijo brincou na minha memória por muito tempo, mas não por saudade. O "nunca mais" sempre me intrigou, especialmente por ser raro reconhecer o seu início. Foi um beijo bobo, sem língua, nos veríamos no dia seguinte. Um beijinho de despedida, o tempo suficiente para que o motorista do carro detrás não desancasse a buzina. Passei para o banco da frente, o taxista seguiu, bocejei enquanto admirava suas grossas panturrilhas caminhando pela rua dos quebra-molas. Nem uma sombra de suposição cobria meu amor, pelo contrário: meu sexto sentido me desarmava constantemente. Embora dolorosa, a imagem desse fim completamente ignorado, e de minha percepção ingênua sobre certos aspectos da vida amorosa, me vinha tão e cada vez mais bonita, que passei a ficar contente por fazer parte dela.

22 de mar de 2011

sem passos no outro cômodo
mas respiração de consultório
de aula de pilates

chama espirro o evidente murmúrio
respondo o convencional
não insisto amiúde

quisera interromper
esclarecer obsessivamente a questão
enrouquecer de tanto exortar
exercitar um tempo anterior
subtrair o controverso ato

me detém a força da acusação inconsciente

10 de fev de 2011

sem título

sangra
em paredes nuas brancas
sem sofrimento
ato contínuo desde um instante
sem precisão
um instante de música
resignação do corpo neste espaço-tempo
agora que aumentaram a dose

mas sangra
e se confunde com os cubos vermelhos
que ela desenhou
cubos que se interceptam
unidos pelo grafite
leves como o sono do gato